Voltar

Cuidado com a dose de açúcar na infância

Cuidado com a dose de açúcar na infância

Conheça os perigos da ingestão excessiva de açúcar pelos pequenos e evite problemas como obesidade e distúrbios alimentares

Cuidado com a dose de açúcar na infância

9 Março 2018

Você sabe qual é a quantidade tolerável de açúcar que uma criança pode ingerir? De acordo com a Associação Americana do Coração, crianças e adolescentes devem consumir menos de seis colheres de chá de açúcar adicionados por dia. Já os menores de dois anos não devem consumir nenhum tipo de alimento que tenha sido acrescentado açúcar.

O consumo de açúcar adicionado na faixa etária dos 2 aos 18 anos tem alto impacto na saúde cardiovascular. Estudos indicam que esse tipo de açúcar, ou seja, aquele que não está presente naturalmente nos alimentos, está ligado a fatores de risco cardíaco, como obesidade, diabetes, hipertensão arterial e aumento nos níveis de colesterol.

Considera-se açúcar adicionado ingredientes como o açúcar mascavo, xarope de milho, mel, dextrose, edulcorante de milho ou frutose que podem aparecer no rótulo dos alimentos doces ou salgados. Por isso, leia sempre o rótulo para saber o que está sendo consumido ou oferecido para as crianças.

 

 

EVITE O AÇÚCAR NA INFÂNCIA

  • Os açúcares adicionados aumentam o valor calórico ingerido pela criança e são pobres em nutrientes;
  • O risco de doenças cardiovasculares, hipertensão, cárie e câncer relacionado à obesidade aumentam;
  • Refrigerantes, sucos industrializados, bolos e biscoitos contêm grandes quantidades de açúcar;
  • Lembre-se: crianças menores de dois anos não devem consumir alimentos que contenham açúcar adicionado.

 

 

COMO MUDAR A ROTINA ALIMENTAR DAS CRIANÇAS

A inclusão de hábitos saudáveis na infância é uma tarefa diária dos pais ou responsáveis e terá reflexo positivo nas preferências alimentares dos pequenos na fase adulta. Por isso, quanto mais cedo esses hábitos forem estimulados, melhor para a saúde da criança e de toda a família. 

  • Priorize o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida;
  • Incentive o consumo de alimentos variados incluindo frutas, verduras e legumes;
  • Esteja atenta ao tipo de gordura que está oferecendo;
  • Estabeleça horários para as refeições e eduque a criança para que eles sejam cumpridos;
  • Não pule as refeições e nem as substitua por lanches;
  • Realize as refeições em um ambiente calmo e com a televisão desligada;
  • Evite o consumo de salgadinhos, doces, frituras e refrigerantes;
  • No intervalo entre as refeições, ofereça alimentos como frutas, sucos naturais, iogurtes e lanches a base de pão integral.

 

 

ESCOLHAS SAUDÁVEIS

PROTEÍNAS

Dê preferência para frutos do mar, carne magra, frango, ovos, feijões, ervilhas, soja, nozes e sementes.

FRUTAS

Ofereça frutas frescas variadas. Frutas secas também podem fazer parte do lanche, mas controle a ingestão porque ¼ de xícara de fruta seca equivale a um copo da fruta natural.

LEGUMES

Sirva vegetais variados incluindo os de cor verde escuro, vermelho e laranja.

GRÃOS

Opte pelos grãos integrais, como pão de trigo integral, aveia, pipoca, quinoa ou arroz integral. Limite o consumo de refinados como o pão branco, macarrão e arroz branco.

LATICÍNIOS

Incentive o consumo de produtos à base de leite com baixo teor de gordura como leite, iogurte e queijo.


Texto: Jailde Barreto / Design: Carolina Moura

Fonte: Obesidade na infância e adolescência: Manual de orientação. Departamento de Nutrologia. Sociedade Brasileira de Pediatria/ American Heart Association/ Mayo Clinic

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (4 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

  • Mulher na cozinha preparando uma alimentação saudável
  • Glossário de enfermidades
 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em