Voltar

Como fortalecer o vínculo entre irmãos

Como fortalecer o vínculo entre irmãos

Compartilhar momentos e respeitar individualidades é o segredo da relação fraterna e saudável

Como fortalecer o vínculo entre irmãos

1º Setembro 2022
Irmãos tendem a ser parceiros de vida, independentemente da faixa etária. Crescer junto, compartilhando experiências familiares, a atenção e o amor dos pais geram um vínculo incomparável: o da fraternidade.

 

Ao lidar com diferenças de idade, personalidade ou interesses, ou mesmo nas brigas, tão comuns em uma relação saudável entre irmãos, um ajuda no desenvolvimento emocional do outro.

É comum que haja algumas incompatibilidades entre os irmãos em determinadas fases da vida. Especialmente quando as idades são mais distantes – um deles já está na adolescência enquanto o outro ainda está na primeira infância, por exemplo.

Ainda assim, onde houver respeito às individualidades e carinho, o vínculo fraterno só evolui.

 

Confira a seguir algumas dicas para incentivar essa relação.

Qual é o impacto da diferença de idade entre irmãos?

Atividades para fazer junto

Respeitar a individualidade de cada um

 

 

Qual é o impacto da diferença de idade entre irmãos?

Irmãos de idades muito próximas têm a vantagem de poder compartilhar itens de enxoval, roupas, brinquedos, brincadeiras e amigos. Por outro lado, o ciúme em relação à atenção dos pais pode ser maior. O mais velho, dependendo da idade em que ganha um irmãozinho, pode se sentir preterido quando as atenções da família se voltam para o recém-nascido.

Mas, calma: é possível encontrar um equilíbrio.

 

Leia aqui sobre a chegada de um irmãozinho

irmãos idades diferentes

Quando a diferença de idade é superior a 5 anos, o mais velho tende a sentir menos o fim da exclusividade, e pode até se envolver em alguns cuidados. Apesar de não gostarem necessariamente das mesmas brincadeiras, é comum que ele vire uma espécie de referência para o caçula. 

O cuidado, aqui, deve ser tomado para não sobrecarregar o primogênito com responsabilidades ou esperar dele uma inteligência emocional incompatível com a idade. Outro ponto de atenção é estimular que cada um tenha suas próprias amizades, de faixas etárias próximas, para curtirem cada fase da vida plenamente.

Se a diferença é superior a 8 anos, os pais tendem a ter um desafio maior na tarefa de agradar aos dois filhos num passeio, por exemplo. O mais velho pode assumir um papel de guardião e agir quase como um segundo cuidador – mas aqui também é importante ter cuidado para não exagerar na dose de responsabilidade. Também é comum que o caçula “temporão” (ou seja, que nasceu muito tempo depois dos outros) seja criado quase como um filho único, já que há muitos “grandes” para cuidá-lo.

 

 

Atividades para fazer junto

Mesmo com idades diferentes, irmãos podem se divertir juntos!
Confira 10 brincadeiras que agradam a crianças grandes e pequenas. Na verdade, são legais para a família toda!

 

1. mímica
2. esconde-esconde
3. blocos de montar
4. quebra-cabeças
5. futebol
6. leitura
7. desenho
8. pintura
9. desfile de looks
10. caça ao tesouro

 

Brincadeiras entre irmãos

As tarefas de organização do quarto também podem ser compartilhadas, bem como os cuidados com um animal de estimação – sempre observando, é claro, as habilidades de cada faixa etária.

O mais velho pode ainda ajudar o mais novo nos deveres de casa e ser um estímulo involuntário na aquisição da fala, nos primeiros passos e até na alfabetização. Ao mesmo tempo, o mais novo também desperta no mais velho o aprendizado da empatia, cuidado e responsabilidade. Todo mundo ganha!

 

 

Respeitar a individualidade de cada um

Apesar de ser muito legal que irmãos passem tempo juntos para compartilhar momentos e memórias, também é importante que cada um tenha sua individualidade respeitada. Isso não significa apenas ter um quarto para cada, o que nem sempre é possível.

 

A seguir, reunimos 5 dicas importantes para garantir espaços próprios:

  1. Ser justo e imparcial quando for necessário intervir em conflitos. Não tratar o mais velho sempre como culpado para proteger o caçula. Com esse cuidado, cada criança estabelece uma relação forte de confiança com você.
  2. Evitar comparações como “olha, seu irmão tirou 10”, “veja como o caderno da sua irmã é caprichado”. Isso gera uma competição desnecessária.
  3. Não forçar para que todas as atividades sejam feitas em conjunto. Nem sempre os dois estão com vontade de fazer a mesma coisa ao mesmo tempo.
  4. É muito legal ter amigos em comum, mas também vale estimular que cada um tenha sua própria turma de amigos, tanto para receber em casa quanto para visitar – especialmente se notar que os interesses deles são muito diferentes.
  5. Reservar momentos para passar com cada um dos filhos separadamente. Quando um for na casa de um amiguinho, que tal aproveitar para levar o outro a um passeio só com você?

 

Um ótimo lugar para reunir todos os irmãos é em volta da mesa – e até antes, no preparo dos alimentos.

 

Fontes: BBC | Blog LeiturinhaGazeta do Triângulo | Escola da Inteligência


Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (0 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em