Notícias Unimed

ver todas as notícias
Voltar

Aids: é importante estar atento às formas de transmissão

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. A infectologista da Unimed Vitória Rúbia Miossi explica que as células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. "Modificando o DNA dessa célula, o HIV faz cópias de si mesmo. O vírus, então, se multiplica e rompe os linfócitos em busca de outros, dando continuidade à infecção".

É importante saber que ter o HIV não é a mesma coisa que ter aids. "Há vários soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus a outras pessoas quando não adotam as devidas medidas preventivas. Sendo a principal delas o tratamento antiviral regular. Por isso, é sempre importante fazer o teste, utilizar preservativos em todas as relações sexuais e buscar imediatamente o tratamento com infectologista. A medicação é gratuita e fornecida pelo SUS a todos os pacientes portadores de HIV", alerta a médica.

A infectologista lembra que existem outras infecções sexualmente transmissíveis, além do HIV, que são evitadas somente com o uso do preservativo. Então, ainda que o soropositivo esteja indetectável (ou seja, não transmita mais o HIV), ele pode pegar ou transmitir outras IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis) que podem complicar a sua saúde.

No dia 1º de dezembro, é comemorado O Dia Mundial de Luta contra a Aids. Ainda há muita desinformação sobre o tema. Por isso, é sempre importante conscientizar sobre as formas de contágio e sobre a importância da prevenção. Saiba como pega (e como não pega) o vírus HIV.

Assim pega:

Sexo vaginal sem camisinha;

Sexo anal sem camisinha;

Uso de seringa por mais de uma pessoa;

Transfusão de sangue contaminado;

Da mãe infectada que não faz tratamento adequado regular para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;

Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.

 

Assim não pega:

Parceiro soropositivo que está indetectável, ou seja, com o tratamento regular do vírus, não transmite para o parceiro (a);

Gestante soropositiva que está em tratamento regular do vírus e indetectável não transmite para o filho na gestação e no parto, mas não pode amamentar;

Sexo desde que se use corretamente a camisinha;

Masturbação a dois;

Beijo no rosto ou na boca;

Suor e lágrima;

Picada de inseto;

Aperto de mão ou abraço;

Sabonete/toalha/lençóis;

Talheres/copos;

Assento de ônibus;

Piscina;

Banheiro;

Doação de sangue;

Pelo ar.